Vamos falar sobre Peeling !

Vamos falar sobre o assunto que muito interessa a vários profissionais e clientes da área da estética –

Peeling

face3
Peeling químico. Fonte: google imagens.

A palavra Peeling se associa a descamar, esfoliar, renovar. Na estética existem vários tratamentos de peelings, alguns deles podem ser realizados por profissionais esteticistas.

Os peelings se diferem conforme sua ação – afinamento da pele através de aparelhos (mecânico), ação química através dos ácidos e ação física: esfoliantes em creme com microesferas abrasivas.

Vejamos abaixo suas diferenças:

Peeling Físico – pode ser definido como esfoliantes em creme, gel com esferas abrasivas, podendo ser de leve abrasão ou média abrasão. Caracterizado com algumas receitas caseiras, mas como profissionais devemos ter amplo conhecimento e segurança para realizar tais tratamentos.

esfoliante fisico
esfoliante físico – fonte: google imagens

Peeling Mecânico – Realizado por meio de um aparelho Ex. Peeling ultrassônico, Peeling de diamante e Peeling de Cristal.

A diferença do peeling de diamante para o peeling de cristal é que – o peeling de cristal tem uma abrasão um pouco mais profunda por conta do óxido de alumínio que é liberado no tratamento.

O Peeling de cristal não deve ser associado ao peeling químico no mesmo dia.

peeling cristal
créditos na imagem. Peeling de Cristal. Fonte: google imagens

Peeling Químico – são as soluções aplicadas na pele, promove descamação, feito com ácidos e reduz o número de rugas, podem ser clareadores de manchas, cicatrizes de acne e promover o rejuvenescimento.

Embalagem peeling químico. Fonte: google imagens.

Concentração do Peeling químico na Estética

A legislação brasileira permite a concentração máxima da somatória de ácidos da classe: alfa-hidroxiácidos de 10%. Podendo ser essa concentração em conjunto, em um kit de ácidos a somatória de todos resultar em 10% (total), ou somente em um único ácido pode conter a porcentagem de até 10%.

fonte: http://portal.anvisa.gov.br/wps/portal/anvisa/home

A legislação abriu a porta para demais produtos cosméticos por não especificar sobre as demais classes de ácidos como os beta-hidroxiácidos e polihidroxiácidos, por isso existe no mercado alguns produtos disponíveis com a concentração total de ácidos em 14% a 20%.

Os ácidos abaixo são os mais indicados na estética:

  • Ácido Cítrico (AHAS frutas cítricas) Esfoliante e clareador;
  • Ácido Elágico (Romã) – Antirrugas, peeling enzimático e anti-inflamatório;
  • Ácido ferúlico – Despigmentante e antioxidante;
  • Ácido tartárico – (AHAS Uva) – Esfoliante e antioxidante;
Tabela de princípios ativos. Fonte google imagens.

Existem algumas combinações de ácidos que cooperam entre si, juntos eles potencializam o resultado, podem ser usados em conjunto para os tratamentos específicos:

Tratamento de pele acneica: ácido salicílico – ácido mandélico – ácido glicólico e ácido lático.

Tratamento antirrugas: ácido glicólico – ácido lático – ácido ascórbico e ácido elágico.

Tratamento para hipercromias: ácido mandélico – ácido cítrico – ácido ferúlico – ácido ascórbico e ácido linoleico.

Existe outro fator muito importante dos peelings: o pH

Quanto mais ácido for o produto – mais forte será; Quando o pH desse ácido for neutro – mais fraco ele será.

o pH mínimo desses produtos é de 3,5 (diminui bastante a força desses ácidos). Fonte ANVISA. Um bom exemplo é pegar uma embalagem que esteja com ácido glicólico à 70% com pH 7 (neutro), ele deixa de ser um ácido. Se torna um hidratante.

Os Peelings também são classificados de acordo com a profundidade que seus efeitos atingem sobre a pele:

Os Esteticistas podem atuar com os peelings químicos superficiais, conforme abaixo atinge a camada córnea:

peeling camadas
camadas da pele. Fonte: google imagens

Dicas de literatura:

livro1

  1. Peeling Químico Superfiical & Máscara Facial – Arthur dos Santos Pimentel

livro2

2.Cosmetologia. Descomplicando os Princípios Ativos – Rosaline Kelly Gomes

Fonte: Negócio estética; TV estética; Google acadêmico.